tome nota

DESTAQUES
ELEIÇÃO SEM LULA É FRAUDE

sociedadepoliticaecultura
ultimas noticias
23/03/2018

00.31
este campo foi
editado por
SPC.

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Sindicato dos Escritores reúne diretoria nesta quinta

Nesta quinta-feira, às 17h, na sede do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, acontece a primeira reunião da nova diretoria do Sindicato dos Escritores, empossada no dia 29 de novembro. Durante a cerimônia, o presidente eleito, Nilson Araújo de Souza se utilizou do conceito gramsciniano de "intelectual orgânico" para definir a responsabilidade dos escritores na construção do país.
Para uma categoria (se é que pode se utilizar esse termo para escritores) dispersa como essa, a diretoria do Sindicato terá a árdua tarefa de se desdobrar para pensar formas criativas de organização de seus filiados e de como intervir no cenário político, social e cultural do país. Tirar o sindicato da completa falta de presença na vida dos escritores e da sociedade é a primeira tarefa dessa diretoria.

Metalúrgicos de Guarulhos inauguram sítio

O Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região terá, hoje (12), um novo site. A assessoria do sindicato garante que o novo sítio trará ais informação, será mais dinâmico e interativo, com notícias diárias da entidade, do movimento sindical e do mundo do trabalho. Os usuários terão acesso às Convenções Coletivas referentes a todos os grupos patronais, aos boletins gerais, ao Jornal Sindical, além de informações sobre saúde do trabalhador, lazer e patrimônio da categoria.
O presidente do Sindicato, José Pereira dos Santos, afirma: “A internet já faz parte das nossas vidas. E o movimento sindical sabe que é uma ferramenta importante para manter o trabalhador informado, unido e mobilizado na luta contra abusos e por direitos”.
O endereço eletrônico é www.metalurgico.org.br.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

A firma. Ou o Estado de Banana


Vale a pena ler o texto a seguir até o fim pelas lembranças que traz sobre o clã dos Garibaldi, incluindo o senador Garibaldi Alves, que nesta quarta estará sendo elevado à categoria de presidente da Casa.

O texto, datado de outubro de 2000, é do Paulo Augusto, colei do Observatório da Imprensa. Vale pelas informações e pela forma como o autor conduz o texto.

(imagem... não confunda, esse é o Garibaldo, não o Garibaldi)


Paulo Augusto (*)
O indiozinho Janduí faz que não entende, mas fica só na moita. Ele lê jornal, vê TV, navega na internet e gosta de acompanhar, principalmente, as vicissitudes do poder dos brancos, sem meter sua colher de pau. Mesmo não compreendendo nada, faz como o matuto: quer apenas entender. E acha que entendeu, agora, por que o ex-ministro Aluízio Alves, em vez de massacrar Wilma de Faria, que o atacou sem dó nem piedade quando adversária, presenteou-a, há pouco, por sair da aliança com os Alves com um terceiro mandato na Prefeitura, dando-lhe o status de "liderança política no estado". O velho Cigano não brinca em serviço, e o índio Janduí acha que sabe por quê.
Janduí lembra que, candidata ao governo do estado em 1994, pela coligação Frente Popular pela Cidadania, Wilma de Faria enfrentou Garibaldi Alves Filho, Lavoisier Maia e Fernando Mineiro. Nos embates contra os adversários, Wilma centrou seu fogo nos Alves, a quem devotava especial ódio, segundo deixava transparecer. Para a edição do domingo de 7/8/94 do jornal O Poti, Wilma concedeu uma entrevista essencialmente rancorosa e venenosa, onde desancava a família que hoje é "dona do Estado". O jornal estampava, na 3ª página, a manchete: "Wilma acusa Alves de dominar o RN". Ali, Wilma denunciava estar então em curso "um projeto de dominação do Rio Grande do Norte pela família Alves", chefiado pelo então ministro da Integração Regional Aluízio Alves, e castigava os "sete Alves" candidatos que, utilizando sete empresas de comunicação, pretendiam perpetuar a dominação da família sobre o estado, fato que se consumou.
Eram os sete sinistros personagens, segundo a atual prefeita: "Garibaldi Filho, sobrinho e candidato ao governo, através do qual Aluízio quer governar; Henrique Alves e Ana Catarina, filhos e candidatos por legendas diferentes à Câmara dos Deputados; Carlos Eduardo Alves, sobrinho e candidato a deputado estadual; José Dias, genro e candidato a deputado; Fernando Freire, sogro do sobrinho de Aluízio; e Ismael Wanderley, ex-genro de Aluízio Alves e suplente do candidato Francisco Urbano, que disputa uma vaga no Senado."
Mimo e poder em excesso
As sete empresas, hoje, o Estado sabe quais são. Wilma as nomeava uma a uma na matéria, e já então integravam o Sistema Cabugi de Comunicação: "Todos eles foram adquiridos ou montados pelos Alves depois que entraram na política. Em vez de empresários que montam negócios para dar empregos, os Alves se tornaram donos de um sistema de comunicação cujo único objetivo é contribuir para a dominação do estado". E declinava os veículos: TV Cabugi, Rádios Cabugi AM e FM, Rádio Difusora de Mossoró, Rádio Cabugi Seridó, de Jardim do Seridó, e FM Líder (atual 104) de Parnamirim.
"Nos veículos – explicitava a prefeita –, fazem um noticiário jornalístico tendencioso que beneficia apenas as candidaturas dos familiares e dos aliados políticos. E nós vamos denunciar isto com provas ao TRE." No entanto, pondera o índio Janduí, usou de sabedoria o velho Cigano com a víbora de 1994. Em 2/10/00, um dia após as eleições, relata o Jornal de Hoje: "O presidente do PMDB, Aluízio Alves, atribui a vitória da prefeita Wilma de Faria ao trabalho administrativo e à aliança feita com o governador Garibaldi Filho." E a mimoseia: "Wilma constitui-se numa nova liderança no quadro político do estado."
Janduí identifica, no gesto, a segunda das 48 Leis do Poder, de Robert Greene e Joost Elffers: "Não confie demais nos amigos, aprenda a usar os inimigos." Ou seja, segundo os autores: "Cautela com os amigos – eles o trairão mais rapidamente, pois são mais rapidamente levados à inveja. Eles também se tornam mimados e tirânicos. Mas contrate um ex-inimigo e ele lhe será mais fiel do que um amigo, porque tem mais a provar. De fato, você tem mais a temer por parte dos amigos do que dos inimigos. Se você não tem inimigos, descubra um jeito de tê-los." E Janduí ainda vê aí a mão de Diane de Poitiers (1499-1566), amante de Henrique II, da França, que dizia: "Para um bom inimigo, escolha um amigo. Ele sabe onde atacar." Além da lição de Tácito (c. 55-120 d. C): "Os homens apressam-se mais a retribuir um dano do que um benefício, porque a gratidão é um peso e a vingança, um prazer".
Há prova maior de enfado, fruto de mimo e poder em excesso, verdadeira soberba exposta no açougue da mídia do que a trazida a público sem pudor pelo deputado Carlos Eduardo Alves? Sobrinho do Cigano Aluízio, primo do governador Garibaldi Alves, filho do senador Agnelo Alves, prefeito eleito de Parnamirim, ex-marido da mais votada vereadora deste pleito, na mais cara campanha da história do estado, Fernanda Freire, filha do vice- governador Fernando Freire, o rapaz precisaria aprender que não é pela lâmina que se segura a espada, mas pelo punho, para poder se defender? Como o Cigano também sabe que se lucra mais com seus inimigos do que o tolo com seus amigos, como ensina Baltasar Gracián (1601-1658).
O causo: deputado estadual Carlos Eduardo Alves cedera sua vaga na Assembléia a um suplente, enquanto ocupou a Secretaria de Trabalho, Justiça e Cidadania. Os trabalhos ali empreendidos serviram de discurso de palanque na campanha da qual saiu vitorioso, e o alçou a vice-prefeito, na chapa de Wilma de Faria. Na semana passada, ameaçava renunciar ao mandato de vice-prefeito de Natal e permanecer no plenário da Assembléia Legislativa, provocando um terremoto no edifício de promessas a suplentes e aliados costurado por Garibaldi.
O índiozinho Janduí nem pestaneja. Sabe, com Maquiavel, que "o homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre inúmeros outros que não são bons". Sabe também que a seita do reverendo Moon acaba de comprar uma cidade inteira, onde moram 6 mil habitantes, numa das regiões mais pobres e inóspitas do Paraguai, pagando 17,5 milhões de dólares por cerca de 350 mil hectares de terra da cidade de Puerto Casado. Por que uma família, qual empresa bem azeitada e servida, não transformaria um estado, farto de riquezas naturais numa região bronca e anêmica no interior do Nordeste, numa firma particular?
(*) Jornalista, e-mail

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Kassab fatura com projeto alheio


Em política, a frieza dos números nem sempre revela a real intensidade das disputas, mas sempre é um bom indicador dos ânimos do eleitorado e dos caminhos que políticos tendem a seguir. A um ano das eleições municipais, a disputa na maior cidade do país, São Paulo, dá uma prévia do que será a contenda em nível nacional para a sucessão presidencial.
São Paulo tem importância estratégica para os partidos. Além de ser o terceiro orçamento do país, atrás, apenas, do governo federal e do Estado de São Paulo, uma boa administração pode ser trampolim para pretensões maiores – leia-se governo do Estado e Presidência da República. O tucano José Serra, derrotado na disputa com Lula, lançou-se à prefeitura do município, elegeu-se governador, mas não tira o olho do Palácio do Planalto. Outro emplumado, Geraldo Alckmin, também derrotado por Lula nas últimas eleições, é nome certo para a disputa da Prefeitura paulistana.
Pesquisa divulgada pelo Ibope na semana passada indica que em um segundo turno em São Paulo, o atual prefeito Gilberto Kassab (DEM) venceria a ex-prefeita Marta Suplicy (PT) por 47% a 38% da preferência do eleitorado. Ironicamente, o bom desempenho de Kassab deve-se à continuidade de projetos gestados na administração Marta: a lei da cidade limpa, o bilhete único e os CEUs. Kassab, espertamente, se aproveita para deixar a impressão de que são de sua autoria os projetos. Ironicamente, Marta Suplicy, em cuja gestão foram iniciados os projetos, tem a maior taxa de rejeição entre os três principais candidatos.
Segundo a pesquisa do Ibope, se a eleição fosse hoje, Geraldo Alckmin superaria em um segundo turno tanto Kassab quanto Marta.
Marta Suplicy herdou uma São Paulo falida, após a desastrosa passagem de Celso Pitta, recuperou a cidade, lançou as bases de projetos que hoje são o principal cartão de visita da Prefeitura, mas não superou no imaginário popular a pecha de arrogante, que a fez perder a disputa passada.
Já Kassab, político inexpressivo e que ganhou a Prefeitura de presente com a saída de Serra, se aproveita bem dos projetos alheios para alavancar seu nome e tornar-se forte candidato à reeleição.
PSDB e DEM (ex-PFL), aliados de longa data, devem sair separados na disputa pela maior cidade do país. O PT, por sua vez, deve buscar alianças em um espectro político muito maior do que a da chamada esquerda; das três candidaturas, a menos garantida, ainda, é a da petista, que precisa passar por prévias e disputas democráticas no interior do partido, “problema” que outras legendas não tem por serem nomes tirados de conchavos de lideranças.
A campanha no próximo ano promete ser interessante e uma prévia do que aguarda a sucessão presidencial.
(na foto, Kassab bate boca com desempregado e o chama de vagabundo)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Jeito tucano de administrar



Semana passada a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crucis (PSDB), em entrevista à CBN, respondeu da seguinte forma a uma pergunta sobre por que não privatiza as rodovias estaduais nos mesmos moldes que o governo federal fez. A resposta é sintomática do jeito tucano de administrar.

Yeda, que reclama estar com o caixa do Estado zerado e não conseguiu emplacar um pacote fiscal na Assembléia (perdeu por 34 votos a zero), disse ao repórter que não podia entregar para a iniciativa privada estradas sem asfalto e com buracos, primeiro tinha que consertar para depois entregar. Exatamente como FHC fazia: usava dinheiro do Estado para financiar os investimentos da iniciativa privada.
(ilustração: Bira Dantas)

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Tal pai

Flávio Maluf, filho do deputado federal Paulo Maluf, teve a prisão decretada por falta de pagamento de pensão alimentícia a sua ex-mulher, Jacqueline Coutinho. Malufinho deve à ex R$ 651 mil referente a três meses de pensão. À boca pequena especula-se que tal valor pagaria não apenas a pensão, mas o silêncio da ex-esposa.
Flávio já fez companhia para seu papai por poucos 41 dias na prisão, em 2005, por obstrução da justiça nos processos que malufão responde. A separação de Flávio e Jacqueline ocorreu em junho e, simpáticamente, ela declarou que preferia abraçar o capeta a ter alguma coisa novamente com malufinho.

Eleições no PT: Jilmar é melhor nesse momento


Certa vez comentei em tom de brincaderia com Ricardo Berzoini, quando ele pertencia à mesma corrente de Jilmar Tatto, que quem cria cobra não pode reclamar se for mordido depois. Não disse como ofensa a Tatto, mas para sublinhar que cada um tinha um projeto político independente. Berzoini tem o costume de não ouvir ninguém além de si mesmo, e foi o que aconteceu.

A escolha do próximo presidente do PT será em segundo turno, dia 16, entre Berzoini e Tatto, ambos deputados federais e, agora, em lados opostos e cada um querendo dar sua mordida. A disputa ainda contou com o também deputado José Eduardo Cardozo.

Jilmar ganhou de Berzoini no principal reduto petista, o Estado de São Paulo, e isso foi mais do que o suficiente para tirar o sono do atual presidente da legenda. Berzoini sabe que em um colégio eleitoral politizado como o dos filiados do PT, e com acordos políticos já bem estruturados, sobra pouco espaço (e tempo) para articulações.

Jilmar obteve cerca de 21% dos votos em nível nacional; Berzoini cerca de 44% e Cardozo abocanhou quase 19%, resultado que pode tornar seu grupo político - "Mensagem ao Partido" - o fiel da balança dessa eleição. A "Articulação de Esquerda", de Valter Pomar, obteve pouco mais de 10% dos votos, mas não deve se aliar à corrente de Berzoini.


Jilmar é o melhor para o PT agora

Particularmente, acho que será bom para o partido a vitória de Jilmar Tatto. Berzoini pegou o partido em seu momento mais delicado, conseguiu conduzir a legenda em meio à crise, mas sua gestão foi bastante criticada, principalmente após o episódio destrambelhado da tentativa de compra de um dossiê. Do ponto de vista da política, no entanto, não é isso que importa nesse momento, não se trata de julgar o passado, mas olhar para o que o futuro reserva.

A permanência do grupo de Berzoini no comando da sigla significa a manutenção da subserviência acrítica do PT ao governo federal e da priorização de acordos e negociações nas esferas de Brasília em detrimento do fortalecimento das bases partidárias, cada vez mais alijadas dos processos decisórios.

Nas próximas eleições o PT não vai contar, pela primeira vez na história do partido, com a candidatura Lula à presidência, e atualmente não há nome algum que se destaque como alternativa ao atual presidente da República. Sem a "cabeça", o PT vai precisar muito de suas "pernas", os milhões de filiados que se mostram cada vez menos dispostos a fazer campanha pelo prazer da militância.

Tatto não faz oposição ao governo, pelo contrário, suas críticas são focadas no modelo de partido que vem sendo desenhando e será positivo para o PT encarar essa questão de frente e com coragem. Tenho respeito pelo Berzoini, já fiz campanha para ele, mas seu projeto, neste momento, nada acrescenta para o PT nem responde aos desafios que estão por vir, e não serão poucos.