domingo, 14 de janeiro de 2018

PALESTINA: um olhar além da ocupação



Em visita oficial à Palestina, em 2015, os vereadores de Foz do Iguaçu, Nilton Bobato  (atualmente, vice prefeito da cidade), e de Cascavel, Paulo Porto, ambos do PCdoB, e Jihad Abu Ali, presidente da Sociedade Árabe Palestina de Foz do Iguaçu, presenciaram a ignóbil realidade da ocupação israelense em território palestino. O olhar sobre essa realidade é retratado neste emocionante livro. 
"Queríamos falar da gente palestina, do seu dia a dia, do que vimos além da ocupação e com isso possibilitar a visão de que na Palestina tem pessoas que vivem, são solidárias e organizam suas vidas para conviver e lutar contra esta atrocidade que se prolonga por impensáveis 70 anos.
Gerações inteiras de palestinos foram dizimadas ou expulsas de suas terras, enquanto isso o mundo continua a aceitar as atrocidades de Israel.
Espero que este livro ajude a mostrar a Palestina que precisa ser defendida, visitada, estudada, apreciada", afirma o autor Nilton Bobato.
O livro ganha especial dimensão com as fotos de Paulo Porto, que captou, além dos encontros oficiais, o dia a dia da população. 

Os autores
Nilton Bobato é professor, escritor, já foi vereador e atualmente (2018) é vice prefeito de Foz do Iguaçu. É membro da Academia de Letras de Foz do Iguaçu e possui sete livros publicados. É vocalista da Banda Morthal.



Paulo Porto é docente da Universidade Estadual do Paraná, doutor em Educação e fotógrafo documental. Atualmente está no segundo mandato de vereador no município de Cascavel/PR pelo Partido Comunista do Brasil. Atua como militante da reforma agrária e na defesa dos direitos e território das comunidades indígenas Guarani do oeste do Paraná.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Greve de fome contra reforma da Previdência entra no 10º dia







No dia 14 de dezembro completam 10 dias do início da greve de fome, de luta e resistência contra a Reforma da Previdência. Os mais de 40 grevistas em todo país sabem do desafio que é imposto a privação de se alimentar, mas visto o nível de retirada de diretos que se encontra é uma das ações que estão dispostos a fazer para contribuir com a derrocada dessa Reforma, esse é um aviso prévio das ações que eles irão executar caso essa Reforma venha a ser votada.
Para o MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores) este é um momento histórico de retirada de direitos, mas os camponeses e camponesas não aceitam as manobras do Governo Golpista contra a Classe Trabalhado, em especial quando se trata da Reforma da Previdência. A Greve de Fome significa que alguns passarão fome por alguns dias para evitar que muitos passem fome uma vida inteira.
Nesta quinta-feira as ações nos Estados de SC, RS, SE, ES, RO, BA, PI, PE, GO e AL seguem com Greve de Fome, Dia de Fome, atos e vigílias de denúncia da Reforma da Previdência na Agências do INSS e Câmaras Legislativas, de onde “só sairemos quando colocarmos uma pá de cal em cima dessa Reforma”, como relata Josi Conta, grevista há 10 dias na Câmara dos Deputados em Brasília.
Ao longo desses 10 dias os grevistas receberam milhares de mensagens de apoio e solidariedade de todos os cantos do país de artistas, lideranças políticas, pessoas que se solidarizaram com a causa. Como diz Leila Denise, grevista há 10 dias, “essa greve de fome também tem como objetivo mobilizar a sociedade e denunciar o que essa reforma previdenciária, se aprovada, irá causar, irá levar milhões de brasileiros à miséria”.
O estado de saúde do grevistas, com o passar dos dias começam aparecer os primeiros sinais de debilidade, “os que estão há mais dias estão mais frágeis que os demais, logo demandam de maior atenção”, explica Ronald Wolff, médico que acompanha os grevistas em Brasília.
Fonte: MPA

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

AGRICULTORES FAZEM GREVE DE FOME CONTRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA


Frei Sergio Görgen, Leila Meuer e Josi Costa

Os militantes do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), frei Sergio Görgen, Leila Denise Meurer e Josi Costa, iniciaram uma greve de fome contra a Reforma da Previdência, na manhã da terça-feira, 5, na Câmara dos Deputados. Ao final daquele dia, decidiram dar continuidade ao protesto na sede da Federação Nacional do Jornalistas (Fenaj), em Brasília.
Eles deixaram a Câmara dos Deputados devido ao local não oferecer condições adequadas de permanência. “Como não sabemos quantos dias a greve vai durar, precisamos de descanso, sossego e economia de energia. E lá é muito agitado. Além não ter local para tomarmos banho. Além disso, o regimento da casa não permitia que usássemos os banheiros públicos depois do horário de expediente”, explicou Görgen.

Com o gesto, os militantes do MPA querem pressionar e sensibilizar os deputados a votarem contra a reforma da Previdência, que, caso seja aprovada, deve acabar com a aposentadoria dos trabalhadores, principalmente os do campo.

Novas adesões
Segundo o MPA, a proposta é a greve durar até o dia 18, data marcada pela Câmara para a votação da reforma. "A partir de segunda-feira outros companheiros irão se somar nesta greve e a perspectiva é que o MST e outros movimentos se juntem realizando greves de fome nas assembleias estaduais pelo país afora. Estamos em greve de fome para que o Brasil não passe fome", declarou ao blog um integrante do MPA.
(com informações da Fenaj)

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

MP 795: R$ 1 trilhão para as petrolíferas estrangeiras em isenções


Plenário da Câmara durante votação: foto de Luiz Macedo
A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (29.nov.2017), por 208 votos a favor e 184 contra, o texto base da Medida Provisória 795/2017 que, entre outras decisões, concede isenção de impostos para petrolíferas estrangeiras. Segundo estudos da Consultoria Legislativa da Câmara, esta MP vai custar aos cofres públicos a perda de R$ 1 trilhão em arrecadação nos próximos 25 anos. (leia aqui matéria sobre o tema publicada no blog).

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Notícia falsa e interesses verdadeiros


“Fake News” (notícias falsas) é uma expressão nova, que ganhou popularidade a partir da campanha presidencial estadunidense, que elegeu Fake Trump. Contra essa corrente, que dissemina nas redes sociais qualquer informação sem comprovação existe a tendência de se procurar a “mídia séria” para se saber a verdade. Será?
De fato, a chamada mídia tradicional tem, ou deveria ter, o compromisso de checar informações antes de publicá-la e procurar dar a versão mais isenta possível. Coitado de quem acredita que isso ocorre no dia a dia das redações.
Assis Chateaubriand, dono dos Diários Associados, império de comunicação que reinou por quase 60 anos no Brasil, descaradamente inventava notícias para atacar seus oponentes. Com os Marinho, da Rede Globo, não é diferente. É notório o caso de um famoso jornal paulistano, que já não existe, cujo diretor de redação telefonava – geralmente em estado já alterado - a altas horas para a redação para ditar a manchete do dia seguinte, pouco interessando se ela condizia com a verdade da matéria. Nas eleições de 1982, circulavam fotos de uma mansão no Morumbi atribuída a Lula, então candidato a governador de São Paulo. Em 1989, na eleição presidencial, diversos veículos noticiaram que o PT havia sequestrado o empresário Abílio Diniz. Não faltam exemplos de quão “criteriosa” e “ética” é nossa mídia.
Com a possibilidade de qualquer pessoa ou grupo se tornar um emissor de notícias e a rede fazer o papel de ventilador a espalhar por quatro cantos do planeta, a primazia da mentira saiu dos grandes veículos de comunicação e passou a ser prática cotidiana.

General de araque, perigo verdadeiro
Uma das mais recentes é um áudio que circula por grupo de whatsapp, em que um general Aureliano defende a intervenção militar, diz que todo o Congresso é corrupto e que altas patentes do exército já se mobilizam para concretizar o golpe militar. Mesmo tendo quase certeza de se tratar de mais um fake, consultei a assessoria de imprensa do Exército, que informou não haver nenhum general Aureliano em seus quadros. Se ele é um oficial reformado não cabe à corporação ajuizar suas opiniões, mas nem nos quadros de aposentados consta o tal general, informou a assessoria ao blog.
Em política existe o chamado “balão de ensaio” (outro termo para o atual “fake”), ou seja, lança-se uma notícia para detectar a reação do público ou de setores interessados. Por exemplo: o animador de plateia Luciano Huck é um forte candidato a presidência... vamos ver se cola e qual é a reação dos empresários, dos políticos tradicionais etc. Se não decolar, volta-se atrás e vida que segue...
O mesmo raciocínio vale para o áudio do dito general. Após a divulgação várias manifestações de apoio ao golpe surgiram como forma “espontânea” da população. É uma maneira singular de ir criando um perigoso caldo de cultura, mas é assim que o ovo da serpente se choca, bem embaixo de nossos incautos narizes.    

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

ATO DE SOLIDARIEDADE AOS 18 JOVENS DETIDOS NO CENTRO CULTURAL



No dia 4 de setembro de 2016, 19 jovens e três adolescentes foram presos no Centro Cultural São Paulo quando se preparavam para participar de uma manifestação pelas eleições diretas. Entre eles havia um capitão do exército infiltrado responsável por armar a prisão desses jovens, que lutavam por democracia.

Foram levados ao DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) onde ficaram ilegalmente detidos por 30 horas e impedidos de se comunicar com suas famílias e advogados. Esses jovens estão sendo acusados de associação criminosa e corrupção de menores.

Nesta sexta-feira, 10.nov.2017, às 14 horas, grupos de solidariedade a esses 18 jovens farão um ato em frente ao Fórum Criminal da Barra Funda, onde ocorre nova audiência do caso.

É importante a presença de quem puder comparecer para pressionar que a justiça seja feita e esses jovens não sejam condenados por participar de uma manifestação que reuniu mais de 100 mil pessoas. A grotesca tentativa de incriminar esses manifestantes é um perigoso precedente para a democracia, já tão abalada no país pós golpe.

Para saber mais e acompanhar o movimento de solidariedade acesse facebook.com/solidariedadeaos18doccsp  

O Fórum Criminal da Barra Funda fica na Av. Doutor Abraão Ribeiro, 313, São Paulo.

Leia também
http://sociedadepoliticaecultura.blogspot.com.br/2017/09/jovens-serao-julgados-por-defender.html

terça-feira, 31 de outubro de 2017

RESPEITA AS MINA




Fui assistir ao jogo do Palmeiras x Cruzeiro (30.out.2017) em um bar nas imediações do Allianz Parque (que continuo a chamar de Parque Antártica). É sempre uma experiência divertida e interessante quando não acaba em confusão (coisa que nunca presenciei ali).

Jogo nervoso, Cruzeiro à frente desde o início da partida por conta de um gol contra de Juninho, tensão na torcida que assistia pelo telão do bar. Xingamentos, muitos xingamentos, a cada passe mal dado, a cada roubada de bola do adversário, a cada lance. 

Xingava-se juiz, jogadores do time adversário, do próprio time, técnicos, até que do meio da pequena multidão que ocupava uma faixa da rua veio o grito - endereçado a um jogador do Cruzeiro, que obviamente não ouviria: "Eu já comi a vagabunda da sua irmã". Ao mesmo tempo, outra voz anônima, masculina, retrucou: "Respeita as mina". 

Por uma fração de segundo se fez silêncio. O "comedor" de irmãs de cruzeirense nada disse, ninguém vaiou, ninguém saiu em sua defesa, os olhos continuaram fixos na tela até explodir de alegria com o gol de empate do palestra verde.

Até o final da partida muitos outros palavrões foram ouvidos, muitos "tomar no cu", "caralho", "lixo", mas nenhum mais diretamente ofensivo à condição feminina.

Xingar pode, mas respeita as mina.