segunda-feira, 16 de maio de 2016

FARSA SINDICAL: CUT NÃO FOI CHAMADA PARA REUNIÃO COM GOVERNO (E SE FOSSE, NÃO IRIA)




Para tentar fugir do estigma de governo golpista, o governo golpista de Michel Temer lançou na imprensa uma nota de que irá se reunir hoje`(16.mai.2016) à tarde com centrais sindicais.


No entanto, a maior central sindical do país, a CUT, não foi convidada formalmente. "Nos informaram que quem faria o convite informalmente seria o deputado Paulinho, da Força, mas nada chegou a nós", informou a assessoria da presidência da Central.
O objetivo declarado da reunião é apresentar às centrais o modelo de reforma da Previdência e, provavelmente, como apurou o blog, estabelecer uma agenda de diálogo com a Força Sindical e a UGT para encaminhar flexibilizações na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), incluindo jornada e remuneração variável, fim da multa sobre o FGTS e terceirização entre outros pontos.
Pela manhã, o presidente da CUT, Vagner Freitas, publicou no site da entidade a seguinte nota.





Retrocessos não se negociam. Vamos combatê-los na luta

A CUT não reconhece golpistas como governantes. Por isso, não irá à reunião que Michel Temer chamou para esta segunda feira com as centrais sindicais.
A CUT vai continuar defendendo os interesses da classe trabalhadora, principal vítima do golpe, exigindo a volta do Estado do Direito e do mandato da presidenta Dilma, legitimamente eleita com mais de 54 milhões de votos.
Acreditamos que a luta contra os retrocessos pretendidos e anunciados será travada pelo conjunto dos movimentos sociais nas ruas, nos locais de trabalho, na luta constante para impedir que o Brasil recue, do ponto de vista democrático, institucional e civilizatório, a décadas passadas.
O respeito a todos os mecanismos e esforços da população em busca de igualdade, valorização da diversidade e acesso a políticas públicas que combatam as injustiças sociais é um valor precioso demais. E assim queremos que seja tratado.
Vagner Freitas, presidente nacional da CUT

CTB também não participa

Em nota, a Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), ligada ao PCdoB, informou que também não irá participar da reunião. O presidente da Central, Adilson Araujo, afirmou: "Diante das evidências, a proposta de reforma da Previdência de Temer prevê aposentadoria no caixão. A CTB tem muita clareza dos riscos e, diferente de alguns setores do movimento sindical, não se dispõe a segurar na alça da traição".


Postar um comentário