quinta-feira, 31 de março de 2016

50 MIL DIZEM NÃO AO GOLPE EM SÃO PAULO



A Praça da Sé, marco zero da cidade de São Paulo e tradicional ponto de lutas democráticas, como a campanha das Diretas Já, novamente foi o palco de uma grande manifestação promovida pela Frente Brasil Popular, ocorrida neste 31 de março, data em que se relembra os 52 anos do golpe militar de 1964. 

Na época, partidos políticos de oposição e empresários comprometidos com interesses norte-americanos, classe média assustada com a avalanche propagandística da mídia, que pintava o governo Jango como corrupto e comunista, e forças armadas, exército à frente, querendo mudar as regras do jogo compuseram o caldo que levou ao golpe. Meio século depois, substitua as fardas por togas e o cenário é basicamente o mesmo, sob o manto da "legalidade constitucional", setores buscam na ilegalidade jurídica o que não obtiveram nas urnas.
Contra essa situação, mais de 50 mil pessoas em São Paulo, outras milhares
espalhadas por 25 capitais e Distrito Federal, voltaram a defender a democracia contra as tentativas de golpe e de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O que se viu no marco zero da capital Paulista na tarde noite deste dia 31 foi o brilho da resistência e da esperança colorir as ruas. Um único incidente foi registrado quando um jovem vestido de roupas militares ateou fogo em uma bandeira do PT, pedindo intervenção militar no país. Foi acuado por manifestantes e teve de ser escoltado pela polícia para não levar uns petelecos.

O jogo ainda não acabou. 
Postar um comentário