quarta-feira, 3 de junho de 2015

Alesp cria Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás

Na manhã de 3 de junho, o auditório da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) lotou para o evento de instauração da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás, iniciativa da deputada Leci Brandão (PCdoB), que contou com a adesão de 36 parlamentares de 12 partidos. Além de Leci, a mesa de abertura foi composta por representantes do PT e do PCdoB, pelos deputados federais Davidson Magalhães (presidente da Frente em Defesa da Petrobrás da Câmara Federal) e Orlando Silva (PCdoB-SP), pela vice-prefeita Nadia Campeão, pelo ex-diretor da ANP, Haroldo Lima e pelos petroleiros João Moraes, Cibele Vieira e Ademir Caetano.

Leci Brandão abriu os trabalhos afirmando que o objetivo da Frente era defender a empresa, mas, principalmente, "os trabalhadores da Petrobrás que são pessoas honradas e nada têm a ver com o que está acontecendo", em referência às denúncias de corrupção.

A vice-prefeita destacou que a defesa da Petrobrás não está restrita à Alesp, mas deve se expandir para os movimentos sociais e outras esferas públicas, como a própria prefeitura da Capital.

Para o deputado estadual João Paulo Rillo (PT), a Alesp deveria estar discutindo a destinação dos royalties, "se para a Educação ou para o buraco da corrupção do metrô", e denunciou a tentativa de parlamentares tucanos de votar a toque de caixa um projeto que traz para o âmbito estadual atribuições da Agência Nacional de Petróleo. "Esse projeto só não foi votado ontem (2) por falta de quorum, mas está na pauta e será votado logo, sem qualquer discussão com a sociedade".

Projetos perigosos
O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB-BA) alertou para a quantidade de projetos existentes em discussão no Congresso Nacional que prejudicam diretamente a Petrobrás e seus trabalhadores. O parlamentar citou, além do projeto do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que acaba com o modelo de partilha das áreas do pré-sal, o de responsabilidade das empresas estatais, que favorece diretamente acionistas e empresas estrangeiras, projeto que acaba com a política de conteúdo nacional, entre outros. "Esses projetos visam fazer o país voltar à época colonial, sem soberania", afirmou Magalhães.

Falando a respeito das denúncias de corrupção na empresa, a coordenadora do Unificado, Cibele Vieira, disse que os petroleiros estão enfrentando as acusações de cabeça erguida, mas que ainda é grande a pressão, e contou o caso da filha de um petroleiro que teve de fazer um trabalho escolar sobre a operação Lava Jato e depois de consultar o pai e vários sites concluiu que a empresa não está quebrada como afirmam algumas mídias. "A escola não quis aceitar o trabalho da menina de 13 anos e os colegas a isolaram, dizendo que não iriam mais chamá-la para festinhas porque ela apoiava corruptos".

O deputado Orlando Silva destacou a importância de o movimento social estar junto na luta, levantando a bandeira da defesa da empresa. A ideia foi compartilhada pelo ex-presidente do PCdoB, Renato Rabelo: "sem o povo na rua não ganhamos esta parada".

O dirigente da FUP, Ademir Caetano, que representou a CTB, lembrou os 20 anos da greve de 1995 e a resistência dos petroleiros contra o projeto neoliberal de Fernando Henrique. "Estamos novamente enfrentando poderosos interesses contra nossa empresa".

O petroleiro João Moraes fez um emocionado discurso em defesa dos recursos do pré-sal e da responsabilidade desta geração para com o país e o planeta. "De que adianta toda essa riqueza do pré-sal se ela for usada como foi o nosso ouro, nossa cana de açúcar, que beneficiou alguns poucos sem ajudar a desenvolver o Brasil. A natureza levou 150 milhões de anos para criar o pré-sal, nós não podemos simplesmente extinguir essas reservas para alimentar a ganância do lucro de alguns, devemos às próximas gerações o cuidado com essa espetacular riqueza".

Educação de qualidade
Último orador, o ex-presidente da ANP, Haroldo Lima, fez uma longa contextualização sobre o cenário internacional que levou à criação da Petrobrás, as lutas internas que a empresa teve de enfrentar contra entreguistas de todas as épocas e o recente episódio da descoberta do pré-sal e da criação da lei de partilha. Segundo ele, quando o então presidente Lula foi informado sobre a magnífica descoberta, coçou o bigode e a primeira coisa que disse foi: "Poderemos dar Educação de qualidade para todo o povo com esses recursos". Na sequência, contou Haroldo, Lula convocou uma reunião ministerial, criou um grupo de trabalho sob coordenação da então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e assim começou a edificação do projeto de partilha. "Quem levou com firmeza este projeto até o fim foi a Dilma, porque havia muita pressão contra a sua aprovação e se ela não tivesse pego pela unha, como dizem, o projeto de partilha não tinha vingado", afirmou.


A deputada Leci Brandão concluiu os trabalhos informando que Unificado enaltece a iniciativa da parlamentar e estará junto em mais essa trincheira contra os entreguistas da soberania nacional.
a Frente irá chamar representantes dos movimentos sociais e sindicais para discutir as estratégias de enfrentamento e defesa da empresa. A diretoria do
Postar um comentário