quarta-feira, 13 de julho de 2011

ESTADO DA PALESTINA JÁ



Fonte: vermelho.org.br




O Comitê de Campanha pelo Estado da Palestina Já!, criado em 2010 com a presença do embaixador da Autoridade Nacional Palestina no Brasil, Ibrahim al-Zeben, realizou sua 4ª reunião nesta segunda (11). O grupo avançou, redigiu manifesto oficial, aprovado unanimemente, e definiu data e local para lançamento da campanha. Não estão sozinhos na luta: dia 15, sexta, israelenses e palestinos irão às ruas fazer manifestações pela mesma causa.

Comitê pelo Estado da Palestina Já!

Entre os presentes à reunião do Comitê pelo Estado da Palestina Já, nesta segunda (11) na sede do PCdoB, estavam representantes do PCdoB, PPL, CUT, MST, UJS, UNE, Oclae, Cebrapaz, CMP; ABIB (Mesquita do Brás),PT e liderança do PT na Alesp, Deputado Adriano Diogo (que se fez representar), além de repórteres do Gazeta Árabe.


Emir Mourad, diretor da Federação Palestina Árabe no Brasil (Fepal) e membros da UBM, MMM, PC Libanês e CPT (padre Naves) justificaram a ausência, revalidando apoio à iniciativa.

A decisão de consenso foi criar um manifesto de apoio à criação do Estado da Palestina e levá-lo aos mais diversos grupos e comunidades em busca de assinaturas que ratifiquem sua legitimidade.


Manifesto da campanha pelo Estado da Palestina Já!
O Povo Palestino tem o direito de ter o seu próprio Estado, livre, democrático e soberano! Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou o Plano de Partilha da Palestina, que resultou na criação do Estado de Israel. Essa iniciativa criou uma tragédia cotidiana para o povo palestino. Mais de 500 vilas e comunidades palestinas foram destruídas. Milhares foram presos, torturados e assassinados.

Palestinos foram expulsos de suas casas e de centenas de cidades. Cerca de 4,5 milhões de refugiados palestinos vivem hoje pelo mundo, sendo que a maioria destes se encontra nas fronteiras da Palestina ocupada, e o Estado de Israel segue negando o direito de retorno para todos. A ocupação militar israelense, com o apoio das potencias ocidentais, avançou e conquistou novos territórios, em Gaza, Cisjordânia, Jerusalém e até mesmo nas terras sírias das Colinas de Golã e no Sul do Líbano.

Caberá a ONU, com base no direito internacional e em suas próprias resoluções, (em especial a 181, de 1947, que reconhece o Estado da Palestina) ratificar e admitir o Estado da Palestina como membro pleno da organização, caso contrário, será conivente com os crimes cometidos pelo colonialismo israelense contra o povo palestino.

Em setembro deste ano, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), reconhecida internacionalmente como única e legítima representante do povo palestino, irá solicitar da ONU a aprovação do Estado da Palestina como membro pleno desta organização.

Enquanto o povo palestino vem insistindo por uma paz justa para o conflito, os sucessivos governos israelenses continuam não cumprindo as inúmeras resoluções da ONU, mantendo nos cárceres mais de oito mil presos políticos, reprimindo violentamente as manifestações pacíficas de palestinos e israelenses que defendem a criação do Estado da Palestina e seguindo na construção do muro do apartheid ou muro da vergonha, um muro que hoje já tem cerca de 500 km de extensão, e que proíbe a livre circulação de pessoas e produtos entre as cidades e vilas palestinas.

Uma paz justa e duradoura pressupõe a criação, de fato, do Estado da Palestina, e a inclusão deste como membro pleno da ONU, com todos os direitos e deveres que tal decisão implica.

Estados Unidos e Israel comandam a oposição sistemática para que os direitos inalienáveis do povo palestino ao retorno e à autodeterminação não sejam cumpridos.

Se a ONU permitiu a incorporação do Estado de Israel como membro pleno, apesar do mesmo não obedecer aos princípios fundamentais da Carta das Nações Unidas, e de violar cotidianamente os direitos humanos, econômicos, sociais, políticos e culturais dos palestinos, é preciso que o Estado da Palestina também tenha o direito de existir plenamente já.

Apoiaremos as mobilizações populares dos palestinos que lutam contra o governo antidemocrático de Israel. Nós, militantes de organizações representativas do povo brasileiro, afirmamos: apoiar o povo palestino é apoiar todos os povos em sua caminhada de paz, justiça e liberdade!

Ouçam as vozes do povo brasileiro: Estado da Palestina Já!
Postar um comentário