segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Caminhos da calúnia 2: Gráfica que imprimiu panfletos contra Dilma é da irmã de assessor de Serra

Polícia fecha gráfica tucana. Foto Clodoaldo Jurado

A Polícia Federal apreendeu na madrugada do domingo (17) 20 milhões de panfletos que pregavam o voto contra Dilma Roussef. O material, recheado de preconceitos foi supostamente encomendado por um bispo católico de Guarulhos.

A gráfica Pana, onde foram feitos os impressos, pertence a Arlety Satiko Kobayashi, filiada ao PSDB do Diretório da Bela Vista (região Central de São Paulo).

Arlety é também funcionária pública lotada na Assembleia Legislativa de São Paulo e é parente de Paulo Kobayashi, antigo militante e ex-deputado estadual pelo PSDB e irmã de Sérgio Kobayashi, coordenador de infraestrutura da campanha Serra. Quando secretário de Comunicação da Prefeitura da São Paulo (2004), na incompleta gestão Serra, Sérgio assinou contrato de R$ 30 milhões com o Escritório de Comunicação, empresa da jornalista Lu Fernandes. Sabe quem era o sócio de Lu Fernandes? O próprio Sérgio Kobayashi. Como se vê, Serra sabe escolher a dedo seus assessores. Leia


De onde veio o dinheiro para os panfletos ilegais?
O blog NaMaria investigou e chegou a Kelmon Luis da S. Souza como o autor da “encomenda”. Ele teria ligações com movimentos integralistas e monarquistas, e o blog do Nassif apresenta conexões que podem levar Kelmon até o vice de José Serra, Índio da Costa.

Em nota a sessão paulista da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) diz que os bispos “não patrocinam a impressão e difusão de folhetos”.

Segundo a Folha de S.Paulo Kelmon Souza afirmou que a impressão dos panfletos foi patrocinada com “doações pesadasa de quatro ou cinco fiéis”.

A Polícia tem a obrigação de investigar de onde partiu o dinheiro. Essa é mais uma conta para a campanha tucana explicar.
Postar um comentário