sexta-feira, 5 de março de 2010

PSTU: da miopia na política ao fascismo nas ações

O PSTU é um agrupamento que ao longo de sua parca existência se caracteriza pela mais profunda miopia política. Como fundamentalistas islâmicos ou extremistas religiosos, buscam adaptar a realidade às suas convicções políticas, ditadas por "manuais" que não permitem a análise dialética da história, um dos conceitos básicos do marxismo que essa corrente de diz seguidora. Parece contraditório, e é mesmo - fazem na prática o contrário do que imaginam fazer na teoria.
Em seu livro "A psicologia de massas do fascismo", o psicanalista alemão Wilhelm Reich estuda a forma subliminar da propaganda nazista, para a qual o coletivo está acima de qualquer possibilidade de expressão do indivíduo, ao mesmo tempo em que incentiva as ditas massas a ver como inimigo tudo que é fora do conceito nazi-fascista.
Uma das posturas centrais do tipo de agremiação como o PSTU – que cada dia mais se parece com uma seita religiosa – é tratar adversários políticos como inimigos; para tal seita, é prioritário derrotar a CUT, a FUP e o que representam do que lutar contra a direita; é preferível tratar trabalhadores como massa de manobra e se aliar à direita do que encaminhar uma luta conjunta com outros setores da esquerda.
Em um artigo publicado no sítio desta seita (que confunde partido político, central sindical, estado e sociedade, outra característica bastante peculiar do fascismo) a respeito de um acidente ocorrido na Reduc em dezembro, afirma: "Infelizmente, o Sindipetro Caxias (FUP) não respondeu a contento. Na verdade, nada fez até o presente momento. Inclusive, o gerente disse que tinha negociado as punições com o sindicato". Notem três aspectos interessantes nesta pequena frase. 1) A intenção é mais atacar a FUP e o Sindicato do que promover a denúncia contra a empresa; 2) se valem da opinião de um gerente para validar suas posições; 3) Mentem, simples e descaradamente falseiam a realidade, como pode ser comprovado em uma busca rápida no sítio do Sindipetro Caxias sobre tal acidente.
Outra mostra da confusão e miopia política deste agrupamento se encontra em um texto de seu candidato a presidência – apesar de dizerem contra a institucionalidade burguesa, se lançam ávidos à campanha, mas isso é tema para outro dia. Diz o texto assinado pelo dito pré-candidato: "O PSTU acredita que a melhor forma de a esquerda socialista realizar essa tarefa é através de uma candidatura que una PSTU, PSOL e PCB", para logo em seguida afirmar que o PSOL fez a opção pela candidatura Marina Silva, que segundo o PSTU também é uma representante da burguesia. "A opção pela negociação com Marina indica que o PSOL não tem nenhum acordo com os parâmetros que colocamos para a formação de uma frente entre nossos partidos". Antes de formar a tal frente já estão rachados.
Esse grupelho seria apenas motivo de chacota e piadas não fosse uma outra característica típica de organizações autoritárias e fascistas: a formação de estruturas de repressão e confronto com seus "inimigos de classe", ou seja, os próprios trabalhadores. Isso ficou claro na recente eleição do sindicato dos petroleiros de São José dos Campos, quando foram contratados (com o dinheiro dos sócios do sindicato, é claro) capangas armados para intimidar os militantes da FUP, expulsá-los da sede do sindicato e apurar entre quatro paredes as urnas de uma eleição que não atingiu quórum. Ou seja, para impor uma ilegalidade e afrontar a democracia, se utilizam de forças repressivas – em outras palavras, contratam bandidos para ameaçar trabalhadores. Essa mesma prática se repetiu na eleição dos bancários do Rio Grande do Norte
Primeiro, os regimes de Hitler e Mussolini fizeram propaganda contra judeus, comunistas, homossexuais e qualquer um que era visto como inimigo; depois, mudaram progressivamente as leis para impor restrições de direitos e usaram de repressão para combater quem se levantasse contra o regime. Acabou dando no que todos sabem. Karl Marx dizia que a História se repete como farsa: no Brasil essa farsa atende pela sigla PSTU.
Postar um comentário