sexta-feira, 7 de março de 2008

O tropeiro que não era aranha nem caranguejo

Limiar lança o novo livro de Mouzar Benedito dia 16 de março (domingo), às 18h, no SESC Pompéia.
Na oportunidade acontece, também, o show da banda Pererê







Tempos e costumes idos, ficou a história.

Início do século passado. No intervalo entre as duas grandes Guerras, o jovem roceiro Marcelino divide-se entre um amor que acredita não merecer por seus impulsos a uma vida agitada de tropeiro, cheia de aventuras, tiros e farras em casas de mulher-dama, no então despovoado interior de Minas e Goiás.

O livro é o relato pessoal de uma testemunha de seu tempo. Premido pela paixão que hesita em assumir, pois implica em aceitar também um comportamento padrão, desenvolve uma curiosidade permanente que o leva a se indagar do significado dos fatos que ocorrem à sua volta. O rico humor do caipira coloca uma cautelosa distância entre os acontecimentos que atuam em sua vida - o crack das bolsas em 1929, a tomado do poder por Getúlio, a revolução de 1932, a chegada do cinema, do automóvel, e suas interpretações dadas pela população de um isolado rincão de Minas Gerais. A riqueza desses olhares amadurecidos no salão do barbeiro, nos bares ou na farmácia, traz o sabor dos testemunhos genuínos de quem viveu na Vila Nova de Resende, sul de Minas, não por acaso, terra do autor.
A narrativa em primeira pessoa por Marcelino, dá toda a autenticidade de um mundo em extinção, o universo matreiro e alegre do caipira. Aliando história factual, ficção e uma pitada de humor, O tropeiro que não era aranha nem caranguejo foi premiado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, na seleção de romances do PAC - Programa de Ação Cultural de 2007.
Postar um comentário