quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Bloco EURECA sai às ruas para mostrar outra visão sobre a infância

Criado há 18 anos pelo Movimento Meninos e Meninas de Rua, o bloco de carnaval EURECA, que significa Eu reconheço o Estatuto da Criança e do Adolescente, sai às ruas para dar seu grito de carnaval no município de São Bernardo do Campo. Desde 2006, com o apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, a rede de serviços de São Vicente participa também desta ação e multiplicou o movimento, organizando a versão Eureca Litoral, coordenado pelo Camará. Este ano, o objetivo é ampliar e fortalecer a mobilização na Baixada Santista.A cada ano, o Eureca aborda uma temática relacionada ao Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei Federal 8069/90, sendo a primeira delas uma comemoração pela conquista do ECA. Em 2010 o tema é “Os 20 anos do ECA e o protagonismo infantil”, e o bloco sai às ruas no dia 16 de fevereiro. Em São Vicente, O bloco tem como parceiros, além do Conselho Municipal dos direitos da Criança e do Adolescente, o Sindicato dos Servidores Públicos de São Vicente, a Secretarias municipais de Saúde e Cultura, Casa Crescer e Brilhar, o Lar de Assistência ao Menor (LAM) de São Vicente, os CAMPs São Vicente, Humaitá e Rio Branco, a Ordem dos Advogados do Brasil de São Vicente.

O tema
De acordo com Michelle Lima, adolescente que participa ativamente do bloco no litoral desde suas edições anteriores, o tema esse ano é bem interessante pelo fato de ser voltado para as crianças. “É bem radical, porque estamos enfatizando bastante as crianças e o percurso delas na sociedade hoje”, observa. E é justamente desse percurso que o bloco vai tratar nas ruas. João Carlos Guilhermino da Franca, coordenador do Camará, aponta para a atenção que deve se dar à história do Estatudo da Criança e do Adolescente, promulgado em 1990. De acordo com João, é uma história que estimula a participação política das crianças. Ele destaca que a “própria lei só surgiu porque houve a participação delas no processo, e pouca gente sabe disso.”, enfatiza. Para ele, o papel da lei é exigir os direitos reconhecidos pelas próprias crianças, que participaram e protagonizaram o processo da assembléia constituinte. “Houve uma limpeza nas ruas, ou seja, a retirada das crianças moradoras das ruas, o que foi muito negativo. Depois disso houve luta histórica, e as crianças foram convocadas a levar a visão das ruas para a política.”, explica. Por isso, no bloco pretende-se mostrar um outro modo de enxergar as crianças, ou seja, enquanto protagonistas e não meras espectadoras das ações dos adultos. Pretende-se mostrar também a importância do sistema de garantia de direitos, que o ECA propõe que de fato exista. Para João Carlos ele é “um conjunto de atores sociais muito conscientes da importância de sua existência, que para funcionar não pode contar com ações fragmentadas. A saúde e a assistência social têm que andar juntas, por exemplo.”. Além disso, “a gente quer ter como visão a construção de cidades educadoras. Como seriam as escolas em uma cidade educadora? a cultura, a relação entre adultos, crianças e idosos?”, finaliza.

Processo de formação do Bloco
Trata-se de um bloco que sai no carnaval de maneira engajada e por isso mesmo seu processo de construção exige muito trabalho e muitos encontros de formação para que nas ruas, os participantes e as participantes dêem efetivamente seu recado à sociedade. Assim, desde o começo de janeiro educadores, crianças e adolescentes tem se reunido para pensar tanto no desfile como no que significa o tema proposto para 2010. Dentro das atividades, além de reuniões, todos e todas assistiram a filmes em Cines-Roda (uma espécie de cine debate), participaram de atividades formadoras e convidaram às entidades e as pessoas para o fortalecimento do processo de mobilização social. Na semana de 08 a 11 de fevereiro, ocorrerão, na sede do Camará e na Casa da Vila, as atividades do barracão, que consistem na confecção das alegorias e na organização do bloco para saída às ruas pelas crianças e pelos adolescentes. È no barracão que a linguagem carnavalesca dá vida e inventividade ao engajamento do bloco. A sede do Camará fica na Rua Caminho dos Barreiros, 491- no bairro Beira Mar, e A Casa da Vila fica na rua Lovely Plauchut, 787, no bairro da Vila Margarida, em São Vicente. As atividades ocorrerão no período da tarde, e estão abertas a quem quiser participar.

O desfile
O desfile é dividido em alas, e assim foi concebido coletivamente pelos seus atores: Comissão de Frente – O ECA, Segunda ala – A Conquista, Terceira ala – A Cidade Educadora, Quarta ala – O Sistema de Garantia dos direitos. O Bloco vai às ruas no dia 16 de fevereiro. O desfile começa a partir das 16h, saindo do Píer, na Avenida Antônio Rodrigues (Praia do Gonzaguinha), até a Biquinha, onde ocorre a apoteose.
Para mais informações sobre o EURECA, e visualização de seu samba enredo, é só entrar no blog www.eurecalitoral.blogspot.com.
Fonte: Boletim Vagalume, do projeto Camará
Postar um comentário