sexta-feira, 10 de abril de 2009

Mouzar lança João do Rio, 45

O jornalista e escritor Mouzar Benedito lançou na terça, 7 de abril, seu mais recente livro João do Rio, 45 (Editora Limiar - http://www.editoralimiar.com.br/) . O livro foi contemplado pelo Proac-2008 – Programa de Apoio à Cultura, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Mouzar já havia sido escolhido no ano anterior pelo Tropeiro que não era aranha nem caranguejo, outro livro sério e divertido desse autor, que tem se destacado pela sua grande produção e por ser um dos melhores contadores de “causos” do país.

Em João do Rio, 45, Mouzar conta as aventuras de um grupo de amigos que dividem uma mesma casa - na rua e número que dá título ao livro – na Vila Madalena, em São Paulo, no ocaso da ditadura. O alter-ego Valadares, bom bebedor de cachaça, jornalista de esquerda, que tinha entre suas atividades visitar presos políticos, monta uma república no coração da Vila Madalena. A partir desse momento, a casa passa a ser a narradora dos eventos – e quem já passou perto de uma república sabe o que estou dizendo; acrescente-se a isso, a porralouquice dos anos 80, e vários amigos de diferentes tendências políticas. Só havia um ponto de concordância: as militantes da libelu eram umas gostosas.

Quem viveu a época vai perceber as referências e se envolver no universo que agrupa política, sexo, cachaça, futebol, confusões e pequenos dramas cotidianos. Para formar esse painel, Mouzar lança mão de um recurso estilístico que fornece agilidade ao texto: trabalha com pequenos fragmentos da realidade, deixando ao leitor a tarefa de uni-los em uma única história. Como bilhetes em imãs de geladeiras de uma república, os “fragmentos” que a casa narra remetem aos primórdios da Vila Madalena, à história recente do país, e pequenas histórias pessoais recheadas de situações burlescas ao melhor estilo dos “causos” de Mouzar.

Durante o lançamento, no bar Canto Madalena, na Vila, óbvio, de quando em quando uma pessoa se aproximava e dizia, quase em tom de confissão: eu sou um dos personagens do livro!
- Ele falou muito mal de você no livro -, respondia, rindo, sem saber quem era meu interlocutor. Invariavelmente, aos risos, o personagem se lembrava de mais um “causo”, de outra situação interessante que havia ocorrido na época e, assim, a ficção ganhava vida no relato emocionado dos protagonistas.
Postar um comentário