quarta-feira, 4 de março de 2009

Resistência dos trabalhadores faz Petrobrás abrir negociação



Após o terceiro dia de greve na Replan, a Petrobrás concordou em negociar com os trabalhadores e marcou uma reunião para esta quinta-feira, às 10h, no Rio de Janeiro. "Os trabalhadores mostraram sua força e organização, e esperamos que a Petrobrás tenha uma proposta aceitável para discutirmos em assembleia", afirmou Itamar Sanches, coordenador doUnificado.
Nos primeiros dias de greve, em vez de buscar o caminho do diálogo e da negociação, a Petrobrás resolveu radicalizar, mantendo uma equipe de contingência que não tem efetivos suficientes para manter a segurança da refinaria. Para pressionar, enviou telegramas para a casa dos trabalhadores, afirmando que a reivindicação é de uma minoria dos trabalhadores – como se a minoria não tivesse o direito de lutar. Completando seu desespero, a Petrobrás fretou helicópteros para transportar pelegos para dentro da refinaria.
Em assembleia conjunta, os trabalhadores terceirizados deliberam, na manhã da quarta-feira, aderir ao movimento em uma paralisação de 24 horas.
EDISP - Depois dos companheiros da Recap, em Mauá (que realizaram paralisação de 24 horas entre segunda e terça-feira), os trabalhadores do escritório da Petrobrás, localizado na avenida Paulista, realizam atraso de 1 hora no retorno do almoço desta quinta-feira, como solidariedade à greve na Replan. Como protesto, usarão uma fita de cor preta no braço.
Em assembleia permanente, os petroleiros avaliarão caso haja uma a proposta decente por parte da Petrobrás.
Postar um comentário