sexta-feira, 20 de maio de 2016

TEMER VAI EDITAR MP PARA CONTROLAR EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO



Um dos primeiros atos do presidente golpista, Sinistro Temer, foi oficializar a demissão do jornalista Ricardo Melo da presidência da EBC - Empresa Brasil de Comunicação. Mas Temer não tem poderes para isso.

Lei aprovada no Congresso (com a voto favorável do próprio Temer) garante que o presidente da empresa pública de comunicação só pode ser demitido por questões legais ou pelo Conselho Curador da EBC, que é formado por 22 integrantes, 15 deles da sociedade civil. 

Quando a lei foi criada a proposta era garantir a autonomia editorial da empresa. Frente à resistência do Ricardo Melo, que entrou no STF (Supremo Tribunal Federal) com um mandado de segurança, o governo estuda uma Medida Provisória que altera completamente a lei, ataca frontalmente a autonomia da empresa de comunicação. 






Não por coincidência, o jornal O Globo de 19.maio.2016 publicou um editorial atacando a empresa e elogiando a demissão de Melo "Caso exemplar de aparelhamento, a EBC, controladora da TV Brasil, rádio e agência de notícia, fora convertida em instrumento de propaganda lulopetista. A um custo anual de R$ 750 milhões, dinheiro que estaria sendo várias vezes mais bem empregado se de fato a empresa se pautasse pelo interesse público e não partidário", diz o editorial, sem explicar que a EBC engloba uma TV Pública (a TV Brasil), 8 emissoras de rádio, entre elas as históricas Rádio Nacional do Rio de Janeiro e a rádio MEC, uma agência de notícias, uma radioagência, que fornece conteúdo para quase 3 mil pequenas emissoras de rádio em todo o país e, , além da TV NBR, estatal, que transmite os atos da Presidência da República, inclusive repassando conteúdo, sem custos para canais de comunicação comerciais. 

A sociedade está a um passo de perder o controle sobre toda essa estrutura da EBC e vê-la entregue a interesses do atual ilegítimo governo.O que está por trás disso é mais um golpe contra a tentativa de quebrar o monopólio de comunicação, que se encontram nas mãos de meia dúzia de famílias, a principal delas, a "famiglia marinho", proprietária das Organizações Globo 

Circula pela internet uma petição em defesa da empresa pública de comunicação. Clique aqui para conferir 
Postar um comentário