terça-feira, 12 de abril de 2016

Manipulação de informação: Veja mente, deputados replicam e mentira flana



Durante ato em Brasília na noite de segunda-feira (11.abr.2016), promovido pelo MST e CUT, um homem foi preso portando uma mochila com dinheiro. Sem qualquer prova de envolvimento com os movimentos, José Carlos Santos foi liberado em seguida.

Leiam como a Folha de São Paulo deu a notícia
Um homem foi detido pela Polícia Militar de Brasília com R$ 16 mil durante a manifestação pró-governo organizada pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), CUT (Central Única dos Trabalhadores) e outros movimentos.
Aparentemente, o homem não tinha relação com os movimentos. Sem uma acusação para mantê-lo preso, as PM o liberou.



A mesma notícia no site Congresso em Foco
José Carlos dos Santos, 44 anos, que carregava uma mochila com R$ 16 mil em espécie foi preso nesta segunda-feira (11) na área central de Brasília próximo de onde acontecem manifestações contra o impeachment. Ele foi levado para a 5ª Delegacia de Polícia, na área central da cidade, prestou seus esclarecimentos, declarou a origem do dinheiro e foi liberado.
Segundo a Polícia Militar, o homem foi preso ainda no início do protesto. Ele foi abordado porque estava sozinho em uma esquina e carregando uma mochila. Os agentes o abordaram a procura de armas brancas e acabaram por encontrar a quantia em dinheiro.
José Carlos afirmou que o dinheiro é fruto de uma indenização trabalhista que recebeu por um acidente de trabalho. De acordo com a PM, os argumentos não convenceram e o homem apresentava sinais de embriaguez.


Para o panfleto da direita editado pela Abril, a mesma notícia se tornou assim: um elemento do MST foi preso com R$ 55 mil e os sem-terra tentaram impedir a ação da PM


Como saiu no site da Veja
A Polícia Militar do Distrito Federal prendeu na noite desta segunda-feira um militante do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) com 55 mil reais em notas numa mochila.
José Carlos dos Santos foi preso ao chegar ao acampamento do MST próximo ao Teatro Nacional, na Esplanada dos Ministérios. Ele não soube explicar a origem do dinheiro.
Os sem-terra tentaram impedir a prisão, mas Santos foi levado para a 5ª delegacia, onde prestou depoimento.

De posse da manipulação leviana da Veja, os deputados Alberto Fraga (DEM-DF), Felipe Maia (DEM-RJ) e Major Olímpio (SD-SP) utilizaram a tribuna da Câmara para condenar o MST por estar pagando militantes para participarem do ato. Esse é o rastro da mentira e manipulação que se espalha a partir de um "jornalismo" mentiroso e de parlamentares que o utilizam para seus interesses, independentemente da verdade. 

CONFIRA NOTA DE REPÚDIO DO MST

Nota de Repúdio

O MST repudia de forma veemente a tentativa de criminalização do Movimento por parte do deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), Felipe Maia (DEM-RJ) e Major Olímpio (SD-SP). Estes deputados usaram a tribuna da Câmara dos Deputados para reproduzir mentiras sobre o MST, baseadas em matérias mal apuradas pela imprensa e supostos áudios da polícia.

Na noite desta segunda (11/4), durante o ato em defesa da Democracia promovido pela Frente Brasil Popular, José Carlos dos Santos foi detido por portar uma quantidade de dinheiro em sua mochila, o que foi considerado suspeito pela polícia militar do DF.

O senhor José Carlos, que não integra o MST nem em sua base militante, nem em suas instâncias diretivas, prestou seus esclarecimentos, declarou a origem do dinheiro e foi liberado. Segundo informações prestadas pelos policiais da 5° DP de Brasília ao MST, o senhor Santos afirmou não ser integrante de nenhum partido, ou movimento algum, tendo ido à manifestação por ato individual, que também é legítimo.

Neste sentido, também repudiamos a matéria veiculada no site das Organizações Globo, G1, que afirma uma mentira em sua apuração (ou a falta dela). Em nenhum momento, o site entrou em contato com o MST para confirmar a associação de um militante a um suposto crime, como tentam insinuar.

Não é a primeira vez que os meios das Organizações Globo criminalizam, ou silenciam os movimentos sociais do Brasil.  No mínimo, o G1 deveria se retratar e informar aos seus leitores seu erro grosseiro.

O MST integra o acampamento nacional em Brasília, cujo principal objetivo é organizar a luta contra o golpe contra a democracia em curso na Câmara dos Deputados. Continuaremos a luta, denunciando as manifestações fascistas, preconceituosas e criminalizatórias dos setores mais conservadores do País, que só operam a retirada dos direitos conquistados a muito custo pelo povo brasileiro.

#NãoVaiTerGolpe

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra


Postar um comentário